Navios da vida

NaviosEm certa ocasião, um homem sábio foi a um porto para observar os navios que entravam e saiam. Percebeu que quando um barco saia em direção do alto mar, todas as pessoas ali festejaram e desejavam uma viagem boa. Enquanto acontecia isto outro navio entrou no porto e atracou. De maneira geral, foi ignorado pela multidão.

 

O sábio se dirigiu as pessoas dizendo: “Vocês estão enxergando as coisas ao contrário!” Quando um navio parte, não se sabe o que sucederá o qual será o seu fim. Por tanto, em verdade, não há motivo para comemorar nada. Porém, quando o navio entra no porto com segurança, esse sim que é um motivo de alegria…

 

A vida é esta viagem e nós somos o barco. Quando nasce uma criança, nós comemoramos. Quando alguém morre, choramos. Porém, se viéssemos a vida na terra da mesma forma que o sábio veia o navio, poderíamos dizer: “O navio terminou a sua jornada, enfrentou as tempestades da vida, e, finalmente, entrou ao porto.

 

Reflexão:

A vida é uma viagem, para algumas pessoas larga, para outras curta. Porém, o mais importante é que ela seja uma vida realizada. Para isso, é preciso fazer esta viagem tendo a perfeita noção para onde se vai após da morte e não somente sabendo que a gente vai para algum lugar. O mapa está dentro de você e se chama objetivo de vida eterna.

 

O fim da jornada na terra é a maior alegria para quem tem a absoluta certeza da salvação da sua alma e sabe para onde vai: para uma herança incorruptível, incontaminável e imarcescível, reservada nos céus para vós, que pelo poder de Deus sois guardados, mediante a fé, para a salvação que está preparada para se revelar no último tempo” (1 Pedro 4:5)

 

Deixe uma resposta