A intenção do seu coração

Chico peleabaPedro era um garoto que era muito difícil de lidar com ele, sempre arrumava uma briga sem motivo com alguém. Em casa, com seus irmãos pequenos reclamava, discutia cada vez que eles entravam no seu quarto sem tocar a porta. Na escola, por isso, os problemas não terminavam.

 

Numa ocasião, no intervalo entre uma aula e outra, Pedro empurrou a outro garoto e o insultou:

 

-Você está cego, “lerdo”? Não enxerga o meu pé? Perguntou ao garoto que caminhava distraído.

 

O garoto somente o mirou e pediu desculpas pela sua distração.

 

Não conforme com isso, Pedro repetia palavras grossas ao garoto, que foi embora muito triste.

 

Dois dias depois, Pedro sofreu um terrível acidente de trânsito. Essa noite, enquanto todos na sua casa dormiam, ele pegou o carro dos seus pais e saiu sem avisar.

 

Como conseqüência, passou um semáforo em vermelho e bateu com outro carro em sentido oposto.

 

Pedro estava agonizando e o seu corpo no meio do carro desfeito fazia a sua situação muito pior. O outro carro tinha sido danado, mas o condutor não permaneceu ali para ajudar ele.

 

Sangrando muito, Pedro já sentia uma sensação má de fraqueza e frio, e um filme da sua vida passava pela sua mente. Nesse momento, ele começou a pensar na sua família, nas intransigências com pessoas perto dele, na sua rebeldia e na forma grossa em que tratava as pessoas.

 

Foi nesse momento quando começou a chorar, imaginando a sua morte em poucas horas ou talvez minutos, num lugar deserto e sem ninguém para lhe ajudar. Ele já não sentia as suas pernas e braços e a dor na sua cabeça era enorme.

 

Então, quando olhou pelo espelho retrovisor e viu um homem muito tranqüilo que se aproximava, Pedro o mirou e começou a chorar. Antes que pudesse dizer alguma coisa, o homem o consolou com tranqüilidade:

 

Fique tranqüilo, você vai estar bem.

De imediato, com muita dificuldade intentou retirar os restos do carro que sufocavam ao garoto. Após, chamou as emergências e chamou uma ambulância.

 

Passados alguns dias, Pedro se recuperou e recebeu a visita de alguns amigos da escola. Ele contava a sua má experiência aos seus companheiros, quando se surpreendeu de ver entrar no seu quarto ao garoto que tinha insultado na escola.

 

“Ele deve estar aqui para rir de mim” imaginou Pedro. Porém, para a sua surpresa, o garoto somente queria saber se ele estava bem. Pedro então começou falar do homem que tinha ajudado ele, e pediu para o seu pai que trouxesse informação sobre ele, no final, após do acidente, não pôde nem sequer lhe agradecer. Queria falar com esse homem que o ajudou no momento que mais precisava.

 

Foi então que o garoto da escola lhe deu a notícia:

-O homem que te ajudou é o meu pai, e morreu quando você entrou no hospital. Ele tinha problemas cardíacos, por isso, não podia fazer nenhum esforço. Ele sabia disso, mais não se importou enquanto pudesse salvar a sua vida. Eu vim aqui a visitar você, porque em certa forma, o meu pai continua vivo em ti.

 

Nesse momento, Pedro aprendeu que, ainda sem merecer, logro que o salvara alguém que deu a sua própria vida por ele, o pai do seu companheiro de escola que tinha maltratado tanto. Então decidiu que exatamente por isso, se esforçaria no máximo para ser uma melhor pessoa, como um reconhecimento ao esforço duma pessoa que morreu sem sequer conhecer ele.

 

Reflexão:

Você tem reconhecido o esforço de Jesus para salvar você? E você compreende que, na realidade, o que ele deseja de você não é o que você tem o faz, mas sim a intenção do seu coração em querer mudar?

 

Deixe uma resposta