Contra quem lutamos?

Lucha InteriorUm velho ermitão, uma daquelas pessoas que por amor a Deus se retiram a solidão do deserto, da floresta ou das montanhas para somente se dedicar a oração, mas reclamava constantemente de que tinha demasiado trabalho.

 

Um dia uma das pessoas que o visitou, muito surpresa lhe perguntou: Como é possível que tenha tanto trabalho se está sozinho no meio do nada?

 

O ermitão contestou: -Tenho que adestrar dois falcões, treinar duas águias, manter tranquilos aos coelhos, vigiar uma serpente venenosa, carregar um asno e domar um feroz leão.

 

O visitante olhou ao redor esperando ver alguns animais, mas não viu a nenhum. –Aonde estão todos estes animais? – Perguntou.

 

Então o ermitão lhe deu uma explicação que de imediato compreendeu: – Estes animais estão dentro de nós, todos os habitantes desse mundo os possuem.

 

Os dois falcões que são os meus olhos, se lançam sobre toda presa, seja boa ou má e tenho que domar eles para que somente se lancem sobre a boa.

 

As duas águias que com as suas garras ferem e destroçam são as minhas mãos e tenho que treinar elas para que se dediquem a servir aos demais e para que ajudem sem ferir.

 

Os coelhos, que são os meus pés, sempre querem ir aonde queiram, fugir dos demais, se esquivar das coisas difíceis e tenho que lhes ensinar a estar tranquilos ainda que passem sofrimentos, problemas ou qualquer outra coisa que eles não gostem.

 

Porém, o mais difícil é vigiar a serpente, que é a minha língua, porque mesmo se encontrando encarcerada numa gaiola de trinta e dois barrotes apenas se abrem a porta, sempre está pronta para morder e envenenar a todos os que a rodeiam. Se não a vigio de perto, pode causar muito dano.

 

O burro é muito obstinado, nunca quer cumprir com o seu dever. É o meu corpo que sempre está cansado e ao que custa muito assumir e levar as cargas de cada dia.

 

E finalmente preciso domar ao leão, que é o meu coração. Ele quer ser o rei, quer ser sempre o primeiro, é muito vaidoso e orgulhoso.

 

Você percebe agora o grande trabalho que tenho?

Deixe uma resposta